Bem-vindo viajantes

Bem-vindo viajantes! Esse blog tem como objetivo tornar público algumas questões, reflexões e vivências que tenho tido, daí o nome "Viagens de Paulo Pom". As postagens e discussões desse espaço envolverão os seguintes temas: meio ambiente, sustentabilidade, ciclismo e cicloturismo, montanhismo e vivência ao ar livre. Mas viagens por outros mundos também serão feitas...

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

CICLOVIAGEM LAGAMAR - CAP. V: Ilha do Mel

Em maio de 2012, a convite da Expedição & Aventura, pedalei durante quatro dias pelas praias desertas do Lagamar, rodeado de restingas, manguezais, ilhas, morros isolados, vegetação nativa e um mar pulsante. 

blog Viagens de Paulo Pom está contando a história dessa cicloviagem, que no total percorreu os trechos sinalizados no mapa abaixo (clique para ampliar):



Antes de prosseguir, clique nos links abaixo e recorde os capítulos anteriores:

LAGAMAR: exuberante 

o Lagamar

Planejamento,
Cananeia e a travessia para a Ilha do Cardoso. 

Capítulo 2
Pedalando pela Ilha do Cardoso.




Capítulo 3
Ilha de Superaguí.

Ilha das Peças

ao lado - Ilha do Cardoso, a porta de entrada para o Lagamar.





Nesse Capítulo 5, vamos pegar mais um barco para um pedal pela turística Ilha do Mel.


Esquerda para direita: João, Sandro, Eu (camiseta laranja)
e Kauan - café da manhã super cedo para as
emoções da Ilha do Mel

ILHA DO MEL 
preservação ambiental e muita história


Mapa aproximado mostra os trechos percorridos
de barco (azul) e de bicicleta (laranja) até a Ilha do Mel
Logo pela manhã, quando o sol começou a brilhar, nossas bicicletas já estavam prontas para mais uma travessia de barco.



Dessa vez, 40 minutos de barco nos separavam da famosa Ilha do Mel...



... que possui 35 km de perímetro e é composta por sistemas de restinga, manguezais, brejos litorâneos, mata atlântica preservada, dunas, morros, além de trilhas e uma zona de ocupação humana.

Mapa da Ilha do Mel
Sobre a origem do nome, são várias as hipóteses folclóricas: a extração de mel silvestre por índios; a existência de um engenho de farinha de mandioca onde se lê “Mehl” (farinha em alemão); a cor da água do mar vista do alto do Morro das Conchas; o formato da ilha que lembra mel saindo de um recipiente e outras divagações.


A Ilha do Mel a frente
Desembarcamos na frente de uma torre abandonada, próximo ao radio farol da marinha, na praia Ponta do Bicho, onde a ilha é uma Estação Ecológica.















Na foto à esquerda, o urubu não abandonou a torre; à direita, o desembarque das bicicletas na Ilha do Mel.



Sem esforço (foto acima), pedalamos até a Fortaleza Nossa Senhora dos Prazeres (foto abaixo)...


...um belíssimo forte militar situado no extremo norte da ilha, construído no século XVIII ao sopé do Morro da Baleia (também conhecido como Morro da Fortaleza), a mando da Coroa Portuguesa para proteger a Vila de Paranaguá do ataque de espanhóis.



Sobre a verga do portão de entrada da construção, destaca-se o brasão da realeza portuguesa.





Uma trilha curta e bem demarcada nos conduziu ao mirante da fortaleza, situado no alto do Morro da Baleia, de onde pudemos descortinar um cenário magnífico, composto pela densa vegetação da ilha, pelas ondas sequenciais que atingiam as pedras da praia e pela vastidão do mar (foto abaixo):


As trincheiras cavadas para proteção dos soldados e os canhões bélicos datados de 1893 estavam completamente preservados (fotos abaixo):

As trincheiras cavadas para proteção dos soldados
permitiam a livre circulação
Os antigos canhões preservados


Felizmente, todo conjunto está restaurado e sobre os cuidados do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN).



Em seguida, pedalamos mais 3 km pela Praia da Fortaleza até chegar num ponto onde a ilha se afunila, local que se encontram as praias de Brasília e do Istmo.


Subimos uma trilha curta e chegamos num centrinho comercial da Vila do Farol, que estava deserto, afinal era segunda feira. Mas o local é bem frequentado nos finais de semana e feriados.

E o Correio, com sua eficiência, presente na Ilha do Mel

Como nossa visita foi demorada, a maré subiu um pouco e, no caminho de volta, tivemos que empurrar as bicicletas pelo costão rochoso que bordeja o forte (foto abaixo). Mas essa, é outra história... 




Acompanhem no próximo e último capítulo:

O caminho de volta e os novos momentos inesquecíveis que a natureza pulsante nos reservou

Quem leva:  

 Expedição & Aventura

Visa integrar práticas esportivas para iniciantes ou mesmo para aventureiros mais experientes, promovendo passeios ou expedições de caiaque e bicicleta em diferentes roteiros. Trabalha com grupos pequenos de 4 a 12 pessoas e organiza viagens durante o ano inteiro. Ideal para quem está começando e não quer se preocupar com agendamentos e infraestrutura.


EVENTOS DE CICLOTURISMO - SESC TAUBATÉ

Boas oportunidades para ciclistas, aventureiros e iniciantes do cicloturismo que moram em Taubaté-SP e na região do Vale do Paraíba.

O Clube de Cicloturismo do Brasil foi convidado pelo Sesc Taubaté para realizar alguns eventos dentro da programação do Sesc Verão 2014. Confiram: 


15 de janeiro de 2014 
das 19 às 22 hs.
palestra e bate papo

 Planejando uma viagem de bicicleta e roteiros no Vale do Paraíba e região
com Walter Magalhães


Mais informações sobre essa palestra, clique aqui


22 de janeiro de 2014 
das 19 às 22 hs.
palestra e bate papo

 Nova Zelândia: o sonho de 
uma viagem de bicicleta
com Paulo Roberto Cunha


Veja um rápido vídeo (trailer) sobre essa viagem:


Para ver o vídeo ampliado, clique aqui




29 de janeiro de 2014 
das 19 às 22 hs.
palestra e bate papo

  Mecânica básica para uma 
viagem de bicicleta
com Rodrigo Telles




de 4 de janeiro a 
28 de fevereiro de 2014 
das 9 às 21:45 hs.
exposição fotográfica

  Nova Zelândia: o sonho de 
uma viagem de bicicleta


A exposição de fotos compartilha as emoções e as vivências que eu tive durante os 41 dias e 1.309 km pedalados e muitas caminhadas pela terra dos kiwis. Mais informações clique aqui



Todas as atividades são gratuitas e serão realizadas no SESC TAUBATÉ, sito à Av. Engenheiro Milton Alvarenga Peixoto, 1264, Esplanada Sta. Terezinha, Taubaté-SP.

domingo, 12 de janeiro de 2014

BICICLETA ANTIGA: NORMAN INGLESA - 1940


Apresento uma bicicleta inglesa, a NORMAN, da década de 1940, que pertence ao leitor desse blog, Geraldo Pedroso, que mora em Campinas-SP.


O Geraldo é um saudosista que gosta de carros e bicicletas antigas. A NORMAN foi comprada por ele em 2012, por R$ 350,00, num antiquário em Campinas e aos poucos foi sendo restaurada.


Na foto acima, é possível ver alguns detalhes frontais da bicicleta, como o suporte de farol original, que foi comprada na "feira de pulgas" em Lindoia-SP.


O Geraldo pesquisou as origens dessa bicicleta e descobriu que a fábrica da NORMAN foi fundada na Inglaterra, pelos irmãos Fred e Charles Norman. E quando eles se aposentaram, em 1961, resolveram fechar a fábrica, pois queriam preservar o nome da família e não transferi-la a estranhos.


Na verdade, a empresa Norman fabricava motos, ciclomotores e bicicletas e foi fundada logo após a primeira guerra mundial. O "Norman Cycles Club" (http://www.normanmotorcycles.org.uk/) conta muito mais sobre a história dessa companhia e lembra alguns modelos que foram fabricados.

A seguir, vejam algumas imagens de modelos de bicicleta NORMAN, obtidas num catálogo disponível no site acima mencionado (clique na imagem para ampliar):






Abaixo, a outra foto da parte dianteira da bicicleta NORMAN do nosso amigo Geraldo:


Abaixo, o detalhe do símbolo frontal da NORMAN e um parte do garfo e para-lamas onde se vê que a bicicleta foi minuciosamente filetada:


O detalhe do selim e da bolsa: 


E aqui as manoplas do guidom, feitas com madeira. Realmente uma bicicleta muito elegante!!


Agradeço muito o Geraldo pela colaboração em compartilhar conosco sua preciosidade. Para mais informações, seu e-mail: gepecejr@yahoo.com.br

E se você tem uma bicicleta antiga e quiser compartilhar com os leitores desse blog, me envie um e-mail (paulorobertopom@gmail.com), com fotos detalhadas e contando a história dela.