Bem-vindo viajantes

Bem-vindo viajantes! Esse blog tem como objetivo tornar público algumas questões, reflexões e vivências que tenho tido, daí o nome "Viagens de Paulo Pom". As postagens e discussões desse espaço envolverão os seguintes temas: meio ambiente, sustentabilidade, ciclismo e cicloturismo, montanhismo e vivência ao ar livre. Mas viagens por outros mundos também serão feitas...

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

PARA O CENTRO (SP) DE BICICLETA

São 6 da manhã em São Paulo.

Na cidade que nunca dorme, os primeiros raios de sol aquecem, timidamente, os prédios mais altos. Enquanto isso, a maior parte do cenário urbano ainda está sob uma penumbra.

Enquanto os ponteiros do relógio avançam, o trânsito se intensifica desproporcionalmente pelas veias paulistanas. O tempo  da metrópole difere do tempo natural. 


Deslizo com minha bicicleta pelo asfalto ainda úmido da geada leve da madrugada. Na magrela, o meu tempo difere do tempo da metrópole. 


Igreja São Francisco

Encolho o peito para minimizar os efeitos nada agradáveis do vento gelado da manhã. Com mais rigor, o mesmo vento castiga os moradores de rua amontoados numa esquina.


Quem está mais gelado: os mendigos encolhidos nas frias calçadas da metrópole ou a sociedade que exerce sua fria  indiferença? Um frio que bate no corpo e seca a pele... outro que atinge a alma e endurece o coração.


O dia mal clareou e as ruas do centro, outrora passarelas da  boemia paulistana, já recebem os trabalhadores que ganham a vida com suas bicicletas cargueiras.


Viaduto do Chá e
 "Theatro Mvnicipal" ao fundo 

São os verdadeiros ciclistas urbanos, que todos os dias exercem seu labor entre os carros, ônibus, caminhões e motocas. No entanto, esses ciclistas quase sempre são ignorados pelos falaciosos números oficiais.

Viaduto do Chá

Minhas pernas se movimentam; os pedais giram constantemente e impulsionam minha bicicleta por caminhos certos e conhecidos... ao mesmo tempo, meus pensamentos giram pela minha cabeça e impulsionam minha vida por caminhos incertos e desconhecidos.


Uma parada para observar os japoneses paulistanos se exercitando na Praça João Mendes. Nas frias manhãs de inverno, eles são poucos... mas em outras épocas do ano, no mesmo horário e local, seus corpos se movimentam ao som das  canções típicas da terra distante.

Praça João Mendes

Praça João Mendes

Na frente da pomposa sede do judiciário paulista, lembro dos injustiçados que têm cede de justiça... nada pomposo uma justiça que tarda e é parcial.

Tribunal de Justiça do Estado de SP

Pelos caminhos do centro de SP, montado na minha velha bicicleta, vou iniciando mais dia da minha vida... e pelos caminhos e descaminhos da vida, montado nas minhas crenças, vou tocando minha existência... 


2 comentários:

  1. Caro amigo! Parabéns pelo texto, sensibilidade e fotografias. Grande abraço!
    Walter Magalhães.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Walter, obrigado pelos elogios. Vindo de um cara como vc, realmente é algo muito importante para mim. Abração.

      Excluir